Olá queridos celíacos

Os problemas neurológicos relacionados a doença celíaca são maiores do que pensei!

Com uma freqüência global de 5% a 36%, os problemas neurlógicos mais comuns em celíacos são (para mais informações clique aqui):

  • ataxia: falta de coordenação muscular
  • mioclonia: contrações repentinas, incontroláveis e involuntárias de um músculo ou grupo de músculos
  • corea: movimentos involuntários das mãos e pés
  • neuropatia periférica: condição que afeta os nervos periféricos, responsáveis por encaminhar informações do cérebro e da medula espinhal para o restante do corpo
  • dor de cabeça
  • convulsões

O problema é que ocorre uma reação dos anticorpos gerados na doença celíaca contra as células de Purkinje no cerebelo. Células de Purkinje são os únicos neurônios do cerebelo capazes de transmitir impulsos eferentes formados no córtex cerebelar. Estas células recebem informações completas das diversas partes do sistema nervoso central. (para mais informações básicas clique aqui e aqui)

Neste estudo investigando uma conexão entre doença celíaca e tremores me chamou atenção. Fizeram uma pesquisa na internet no site da associação de celíacos da Argentina entre Junho e Julho de 2015 (mas que só foi publicado recentemente). Um total de 1512 pessoas participaram deste estudo das quais 62% tinham alguma condição gastrointestinal relacionada a glúten. Deste grupo, 83% eram celíacos. Dentre os celíacos, 90% foram confirmados com biópsia e destes pacientes 28% alegaram possuírem tremores.

Com estudos estatisticos, foi concluído que o tremor é derivado da doença celíaca e não devido a histórico familiar (tremores em outras pessoas da família sem doença celíaca). Claro que o estudo tem suas limitações como por exemplo, não foram feitos exames para excluir pacientes com deficiência de vitaminas e magnésio (devido a má absorção) que podem causar tremores não necessariamente originados a neuropatia.

Independentemente das limitações deste estudo, parece que a comunidade celíaca é muito mais perceptível em relação aos sintomas que não são considerados importantes ou até inexistentes. Vendo o que as pessoas discutem online é fácil de perceber o quão complexo a doença celíaca pode ser e que o mundinho fechado dos clínicos gerais e gastroenterologistas deve mudar o mais rápido possível para evitar a detecção tardia da doença celíaca.

 

 

 

Advertisements